segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Daqui pra frente

 Enzo, meu rei, olha que texto lindo seu tio Edu me enviou... Não consigo comentar mais nada...

Daqui pra frente, lembranças minhas serão como nossas conversas.
Daqui pra frente, eu vou deixar de ter a vida mais colorida, como ia de ser com você nesse mundo. E as lembranças, ah! Essas lembranças... Só me confirmam isso.

Lembro do dia em que você foi mordido pelo próprio cachorro. Um “Salsicha” que, de tão mimado, chegou a ponto de fazer escorrer sangue do seu braço ao receber um tapinha no dorso pela má criação.

Lembro das vezes em que você me colocava no Gol azul de tio Zé para secar a gasolina. Rodávamos por toda cidade, parando em vários bares, comendo pelas lanchonetes das ruas, fumando cigarro ativa e passivamente. Cigarros que eu me negava a comprar.

Me lembro das várias noites em que eu ia dormir em sua casa para te fazer dormir tarde da noite, para me ensinar Física para a prova do dia seguinte. Chamando-me de burro e me fazendo gravar a formula V= vo + at associando-a a frase: Vermes Voadores Atacam a Terra, e lendo um livro a cada pausa “eterna” para que eu concluísse uma insignificante questão de Mecânica.

Lembro-me das vezes em que você me acordava puxando minhas calças pra cima como O Máscara, me xingando, puxando meus pés e se jogando na cama.

Lembro-me de quando você chegava em nossa casa na ilha e cumprimentava a todos com um malemolente e transviado: -“Boa noite, Tairú!”

E também da vez em que contando meus problemas na relação de filho e pai, você me perguntou o que representava para mim, esperando me ouvir falar: “amigo”, “primo”, “irmão”, ou coisa do tipo, pois tinha como intuito somente a confirmação de que estava acompanhando o raciocínio. E de lá fui eu, e achando que você tinha feito a pergunta no sentido figurado, entrei num choro soluçante de criança com a vergonha de se abrir de um adulto, balbuciei: “Você pra mim é como um pai!”
E acabou que essa foi a frase que eu usei pra descrever todo o meu amor pela primeira vez... E infelizmente também, a última, pois foi umas das últimas coisas que lhe disse nos seus últimos momentos acordado aqui na terra como Daniel.

Lembro-me de todas as minhas primeiras visitas aos seus diferentes apartamentos (os quais você denominava: esconderijo). Principalmente da vez em que vim a Salvador prestar vestibular e na manhã seguinte e acordei todo quebrado. Você havia me posto para dormir num daqueles colchões infláveis de acampamento, que no decorrer da noite foi se esvaziando. Acordei no chão, todo doído. Você foi me levou para fazer a prova e me buscou pra me levar no Ferry. Resultado: Passei no vestibular numa boa posição e hoje estou prestes a concluir o curso, que por sinal, era o mesmo do seu.

E assim, eu poderia levar horas, páginas, escrevendo pedaços de memória, lembranças soltas de nossa relação, o carinho, o afeto e a fraternidade entre nós. Mas não tenho a intenção de consolidar tudo num papel.

Tenho a plena certeza de que é impossível imprimir meu amor, demonstrar meu sentimento e descrever minha saudade de forma perfeitamente justa!

Eu lhe amo, eu lhe amo.

E tenho dois recados pra toda a família de fãs, saudosos, e amantes de Luiz Daniel:

I:

Se nossa vida fosse um grande livro
Luiz Daniel seria um capítulo mesclado por poesias de amizade e piadas
Então por que ficar pra baixo quando lembrar dele?
Poesias nos dão uma emoção bonita, pura, branda.
E piadas nos fazem sorrir, e não chorar!
Sendo assim...
Lembremos de Daniel como toda ternura da leitura de um poema de João Pessoa
Sem deixar o pessimismo e o apego nos botarem pra baixo.
E depois de lembrarmos, das palhaçadas dele, das escrotidões dele
Vamos sorrir como numa piada de Ary Tolledo.


II: E também...
Vos peço com muita humildade
Que tirem, com muito carinho
Somente 20 segundos dos seus dias tão atarefados e agitados.

Para calar-se,
fechar os olhos,
pensar na essência de Daniel (Mentalizar não o seu rosto ou o seu corpo mas a ideia, o link, a percepção ou sentimento associado a Daniel)
E pedir á Deus que derrame muita luz sobre Daniel
E á ao Dani, se esforce com resignação a encontrá-la.

Só isso, mais nada,
É tudo que nós podemos fazer
É o somente o que ele precisa, DE NÓS.

Fico muito Grato a todos que pelo menos tentarem.


Um grande abraço fraterno.
Luis Eduardo.

6 comentários:

  1. Tb fiquei sem palavras pra comentar... Bom relembrar esses momentos! lindas palavras primo.

    ResponderExcluir
  2. realmente sem maiores palavras. Edu sempre me faz chorar e sorrir quand oenvia alguma mensagem!

    ResponderExcluir
  3. Tive que respirar fundo, ler mais uma vez e depois li novamente... todas os dizeres tem seu brilho, sua essencia, mais esse... me tocou, marcou, balançou profundamente.

    ResponderExcluir
  4. Se isso não é amor...o que pode ser???Edu em forma particular se expressa e sempre consegue me fazer parar, parar mesmo para ler e acabar emocionada...Com a ajuda de Dani então...É um espetáculo!!!

    ResponderExcluir
  5. LINDO, LINDO, LINDO!!!

    ResponderExcluir